tasteofarlington.info

Baixe filmes, jogos e musicas para o seu computador e telefone celular sem nenhum anuncio

BAIXAR SAMBA ENREDO PORTELA 2009


LP "Sambas de Enredo Grupo I " (clique na capa do disco para baixar): . 9 - Portela (Wanderley Monteiro) 11 - Portela (Flávio Bororó). Nesta seção você encontra o áudio de sambas-enredo das Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Para baixar um samba, clique com o botão direito do mouse sobre o título Após o término do download, descompacte o arquivo utilizando o Winzip ou o WinRAR. Morfeu no Carnaval, a utopia brasileira - Portela Samba-Enredo - Unidos da Tijuca - Samba-Enredo (Letra e música para ouvir) - / Meu filho / Como é lindo o amanhecer / Reflete o Sol, a criação / Um.

Nome: samba enredo portela 2009
Formato:ZIP-Arquivar
Sistemas operacionais: Android. iOS. MacOS. Windows XP/7/10.
Licença:Apenas para uso pessoal (compre mais tarde!)
Tamanho do arquivo:65.81 Megabytes

Artigos com ligações inativas! Abordando os significados sociais atribuídos à feijoada no Brasil e nos Estados Unidos, Fry , p. Do mesmo modo, as comunicações de textos e de informações entre os computadores ligados à internet podem se realizar de forma instantânea ou assíncrona. Figura 3: Busto de Natal da Portela na quadra da escola. Em Cima da Hora — ,3 pontos 6. Eu ficava maravilhado com o volume e as cores de suas fantasias.

Nesta seção você encontra o áudio de sambas-enredo das Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Para baixar um samba, clique com o botão direito do mouse sobre o título Após o término do download, descompacte o arquivo utilizando o Winzip ou o WinRAR. Morfeu no Carnaval, a utopia brasileira - Portela Samba-Enredo - Unidos da Tijuca - Samba-Enredo (Letra e música para ouvir) - / Meu filho / Como é lindo o amanhecer / Reflete o Sol, a criação / Um. Veja as letras de G.R.E.S. Portela (RJ) e ouça "Samba-Enredo - Na Madureira Samba-Enredo - Na Madureira Moderníssima, Hei Sempre de Ouvir Samba Enredo - Gosto Que Me Enrosco · Samba-Enredo - E Por . Aplicativos Disponível no Google Play Baixar na App Store Baixar na Microsoft. Essa é uma lista da discografia das escolas de samba do Grupo especial do Carnaval do Rio Faixa, Escola, Enredo, Autor, Intérprete, Ref. 1, Salgueiro, " Dona 1, Portela, "Lendas e Mistérios da Amazônia", Catoni, Jabolô e Waltenir, Silvinho do Pandeiro. 2, Imperatriz « - Unidos da Tijuca». Consultado em The Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela is one of the most traditional samba schools the samba of Paulo da Portela, "Teste ao Samba" (Test for the samba), is considered the first samba-enredo. . , 3rd place, Grupo Especial, E por falar em amor. .. Create a book · Download as PDF · Printable version.

No trato das rememorações, elas foram configuradas como narrativas de eventos passados que alinhei temporalmente a partir do conceito teórico de drama social, de Turner Escolhi propositalmente quatro episódios acontecidos na Portela em décadas diferentes para adentrar no universo de valores compartilhado pelos portelenses com os quais convivi.

O quarto episódio é pautado em minhas anotações de campo e nas rememorações coletadas dos membros do site Portelaweb. Tratando-se basicamente de expressões do ponto de vista nativo, é imperativo qualificar essas fontes. O primeiro foi fundador da Imperatriz Leopoldinense, escola de samba situada no bairro de Ramos.

O segundo, apesar de ter iniciado também suas atividades no mundo do samba na Imperatriz Quanto às biógrafas de Paulo da Portela — Marília Silva e Lygia Santos —, elas têm suas carreiras profissionais ligadas ao universo das escolas de samba. A primeira foi integrante do Departamento Cultural da Mangueira e tornou-se uma especialista em escrever biografias de compositores de samba A segunda, filha do sambista Donga40, é ex-diretora do Museu da Imagem e do Som.

Elas escreveram a biografia de Paulo da Portela a partir de pesquisas de jornais e rememorações dos contemporâneos deste compositor.

Em certa medida, a obra é resultado dos relacionamentos estreitos de amizade entre os autores e os integrantes daquele grupo musical. A propósito, Vargens e Monte consideram o referido livro uma obra poética e intimista sobre a Velha Guarda Show da escola. Este é antropólogo, portelense, classificado internamente entre os membros do referido ciberespaço como um dos mais gabaritados para falar e escrever sobre a escola.

Ela escreveu também as biografias de Pixinguinha e Silas de Oliveira. Qualificadas as fontes, vejamos o que dizem sobre o surgimento da Portela. No fim do século XIX, nesse Engenho, reinavam uma paisagem eminentemente rural com plantações de cana-de-açucar e uma vasta cobertura vegetal primitiva. Mais tarde, a localidade assume o nome de Oswaldo Cruz em homenagem ao sanitarista morto em As ruelas eram tortuosas e de terra batida.

Na primeira década do século XX, o centro Rio de Janeiro passou por transformações em seu conjunto arquitetônico. Ou seja, como enfatizam as biógrafas do compositor, o nome Portela, no mundo do samba, teria ficado conhecido primeiro por causo de Paulo, a escola de samba só teria vindo depois.

A categoria nativa quintal refere-se ao espaço social primordial das residências onde as festas e rodas de samba aconteciam. O quintal funciona como uma espécie de sala de visitas. Comumente suas casas eram palcos de festas religiosas e profanas que, por vezes, duravam semanas. Santos e Silva , p 41 e Candeia e Isnard , p.

A Portela foi fundada em 23 ou 26, jamais em Esta seria uma das possibilidades para a origem do termo escola de samba. No entanto, a Deixa Falar jamais teria participado dos concursos de escolas de samba. Inclusive foi com um dos seus sambas que o grupo teria se apresentado no concurso promovido por Zé Espinguela. Suas reuniões aconteciam nas casas de um dos três fundadores. Ali mesmo nos vagões, seriam feitos e cantados os sambas que eram apresentados durante o Carnaval.

A primeira sede oficial da escola teria sido o Bar do Nozinho55, na Estrada do Portela, No primeiro desfile oficial organizado pela prefeitura do Rio de Janeiro, em. Os símbolos do grupo foram concebidos por Antônio Caetano.

Após o impasse, o próprio delegado teria sugerido ao grupo adotar o topônimo da Estrada do Portela. As obras de Candeia e Isnard , p. Ele nasceu no centro do Rio de Janeiro em , morou em Quintino e integrou a Companhia Lyod Brasileira, através da qual viajou pelo Brasil e pelo mundo. Possuidor de dotes artísticos, Caetano tornou-se posteriormente desenhista da Imprensa Naval. Ele nasceu em nas adjacências do centro comercial do Rio de Janeiro.

Paulo da Portela foi morar em Oswaldo Cruz nos anos de , tornando-se lustrador de móveis. Embora existisse o cargo de presidente exercido por Paulo da Portela, as decisões dentro do grupo seriam, confome mencionam Santos e Silva , p. Seguramente, Paulo da Portela é a figura mais comentada quando o assunto é o passado da Portela. Candeia e Isnard e Santos e Silva destacam-no como um líder moralizador e disciplinador.

Em efeito, outras passagens das fontes nativas pesquisadas reiteram as qualidades sobre-humanas a Paulo da Portela. Santos e Silva , p. Vargens e Montes , p.

Os argumentos para essa assertiva se ancoram nos prêmios e nos convites que esse compositor recebeu para participar de atividades engendradas por diferentes segmentos sociais e artísticos. Dois anos mais tarde, ele vencera o concurso59 de maior. O fato de Paulo da Portela ser considerado, na ótica nativa, um líder disposto a melhorar a imagem maculada do sambista perante as autoridades policiais e os segmentos sociais resistentes ao samba permite apresentar um personagem crucial em seu afastamento da Portela: Manuel Bam-bam-bam.

Esta violenta rivalidade existente entre as escolas de samba as obrigava a disporem de homens classificados como os valentes do grupo. Segundo Goldwasser , a categoria valente refere-se ao entendimento interno do mundo do samba aos homens, comumente agressivos, que atuavam também como protetores dos membros da comunidade e dos grupos carnavalescos.

No caso específico da Portela, os papéis de mestra-sala e de valente do grupo eram exercidos, ao mesmo tempo, por Manuel Bam-bam-bam Para aqueles autores, os sambistas, desde os anos de , reiteradamente estabeleciam relações de reciprocidade com representantes de camadas sociais distintas das suas. Tomando o partido de Rufino, Manuel Bam-bam-bam agride fisicamente Heitor dos Prazeres, obrigando-o a se afastar dos integrantes do grupo de Oswaldo Cruz. No entanto, as relações fraternas e profissionais entre Heitor dos Prazeres e Paulo da Portela foram mantidas.

Cabe observar que o referido conflito foi desencadeado pela dificuldade do sistema social portelense em administrar a convivência de valores heterogêneos: os dos compositores de Oswaldo Cruz e os dos compositores do centro da cidade. Santos e Silva relatam que, em meados dos anos de , os compositores, em Oswaldo Cruz, se destacavam internamente quando tinham seus sambas cantados pelos integrantes do grupo.

Por outro lado, Heitor dos Prazeres era oriundo de um contexto social em que, nas palavras de Sandroni , um samba era que nem passarinho, era de quem pegar primeiro.

A Portela, em , enfrentava diversas crises internas. Os três somente retornariam ao Rio de Janeiro no domingo de carnaval, quando se iniciara o episódio que culminou no cisma entre Paulo e a Portela. Os fatos apresentados a seguir foram resumidos de uma narrativa ficcional criada pelas biógrafas do compositor. Era 21 de fevereiro. Ele chegou acompanhado de Heitor dos Prazeres e Cartola, da Mangueira. Os três estavam vestidos com roupas brancas e pretas listradas.

Paulo da Portela alega que os dois companheiros eram seus amigos. Paulo de Portela e os amigos se retiram do desfile da escola. Por sua vez, segundo suas biógrafas, Paulo da Portela teria sido obrigado a optar entre dois mundos: um relacionado com seus companheiros de Oswaldo Cruz e outro atrelado à sua vida profissional.

Além disso, o compositor se. Após o cisma, Manuel Bam-bam-bam, Rufino e Caetano continuaram na Portela, conduzindo-a a vencer ininterruptamente sete campeonatos — —, algo jamais igualado por outra escola de samba. Tal feito levou Cabral a classificar como anos portelenses o decênio de Após a morte de Paulo da Portela, Natal passa a se dedicar integralmente à escola.

A propósito, sua biografia e. Sobre o mecenato do jogo do bicho no âmbito das escolas de sambas cariocas, ver Chinelli e Silva , Pereira de Queiroz e Cavalcanti Após uma queda, as rodas de um trem feriram seu braço direito gravemente. Tô sempre querendo mais. Ganhei carnaval de toda maneira.

No legal e no roubo. O que nunca fiz foi sair por aí me lamentando. Aguentava firme, na primeira oportunidade roubava também. Jório, , p. Natal da Portela foi também conhecido pelo gênio explosivo e pelos crimes que cometeu, sendo um assassinato.

Além disso, o sentido de moralidade ganhou contornos ambivalentes: a violência; a honra à palavra dada e relações de poder baseadas na confiança em poucas pessoas — estimadas no contexto do jogo do bicho72 passaram a regular o sistema social da escola. Este período portelense foi plenamente marcado pela patronagem73 desse.

ENREDO 2009 PORTELA SAMBA BAIXAR

Nesse transcurso, a Portela foi a primeira das principais escolas de samba cariocas a ter um homem forte do jogo do bicho determinando suas diretrizes no carnaval.

Terceiro, até , a Portela colecionava dezenove campeonatos. Essa quantidade de vitórias era superior à soma dos títulos das outras agremiações juntas no mesmo período. Ele é português e foi presidente do Esporte Clube Madureira nos anos de Este contribuía financeiramente com o referido clube de futebol, enquanto aquele colaboraria com a Portela.

Natal da Portela foi o protótipo de patrono que surgiu desde dentro da escola de samba, como um sujeito que dedicava amor e interesse à Portela. Os dados de sua trajetória de vida foram retirados de sua entrevista a Cabral Desde jovem, Candeia Filho se destacou como compositor, vencendo o concurso de sambas-enredo na Portela, em , com apenas dezessete anos de idade. Ele foi policial de carreira até receber um tiro que atingiu a coluna, deixando-o definitivamente paraplégico Após ficar preso em uma cadeira de rodas, Candeia decidiu investir em sua carreira de compositor, além de criar Entre elas, citaria: o refinamento e aprimoramento das fantasias, bem como o aumento na visibilidade dos carros alegóricos.

Todos se inseriam no contexto do carnaval através do Salgueiro e tornar-se-iam os mais famosos carnavalescos das escolas de samba cariocas nas décadas seguintes. Os textos de Buscacio e Rodrigues Junior apontam para o início dos anos de O primeiro seria representado por Candeia e alguns compositores que lhe apoiavam.

O segundo seria defendido pela Diretoria da escola e pelo Departamento Cultural, criado em A partir do texto de Buscacio , narro os eventos marcantes dessa crise. O Departamento Cultural, récem-criado, toma para si a ideia do enredo desenvolvida por Candeia para o carnaval de Os tradicionalistas tornam-se dissidentes e fundam a escola de samba Quilombo.

A diretoria só interviria nos planejamentos do carnaval no intuito de controlar a quantidade de desfilantes. Gradualmente, a cantora sentiu-se atraída pelo universo de compositores portelenses, tornando-se, em pouco tempo, madrinha da Velha Guarda Show e a principal divulgadora dos sambas da ala de compositores da Portela.

Determinadas atitudes impostas pela presidência da Portela desagradaram os ditos tradicionalistas. Este ato idignou o compositor que foi citado apenas como colaborador.

Na tentativa de recuperar o prestígio ameaçado e de influir nas decisões da diretoria, os tradicionalista elaboram a Carta à Portela. Esta teve vida curta, funcionou até , desativada após a morte de Candeia. As escolas de samba nunca estiveram incólumes à presença de novos elementos e integrantes.

Cada presidente de ala deixava de criar estratégias isoladas para investir financeiramente na feitura da fantasia de sua responsabilidade. Eles se reuniriam e. Resolvi acabar com essa remandiola de ganhar dinheiro às custas da escola.

Quem quiser, vai ter que ser assim. Tem de obedecer o regulamento. Pode ir pro Império, pra Mangueira. Tem que acabar essa ganância. Todo mundo quer ganhar.

2009 ENREDO PORTELA BAIXAR SAMBA

Qualquer passista, quando samba pra representar a escola, pede logo uma nota Expulso todos O que quero aqui na Portela é que todos compreendam suas obrigações. Expulso o primeiro que estiver atrapalhando o trabalho da diretoria.

Vale registrar que Natal da Portela morreu em A escola tanto tinha seu nome divulgado pela cantora, quanto lotava sua quadra nos eventos em que ela estava presente.

Portela - Samba Enredo 1990

Um texto da Portelaweb esclarece o significado da cantora para a escola: Clara nos deixou em Nesse ano, é. A Portela ganhara no domingo, conquistando seu vigésimo primeiro título com o enredo Contos de Areia, homenageando três portelenses: Paulo da Portela, Natal da Portela e Clara Nunes. Segundo Osnir, Nézio Nascimento foi o filho de Natal que mais se interessou em dar continuidade aos trabalhos do pai dentro da Portela. Ele, desde cedo, foi presidente de ala e diretor de harmonia da escola.

Seguindo as rememorações de Osnir, o referido drama portelense teve a seguinte sequência de ações: Nézio Nascimento assume a presidência da Portela. Este supercampeonato, cuja fórmula de disputa envolvia apenas as seis primeiras classificadas dos dois dias de desfile, aconteceu unicamente em Esta narrativa, criada a partir de relatos êmicos, permite interpretar os motivos que resultaram no afastamento de Nézio Nascimento da escola.

Assim, seu comportamento, classificado de desonesto, ia de encontro aos preceitos de um sistema social dos bicheiros que valorizava o código de confiança e de relações pessoais. Muitos portelenses deixaram a escola, eu fiquei frequentando as duas. Percebi que a Portela ficou esvaziada depois desse episódio. Quase toda a linhagem de Natal saiu da Portela, inclusive a Vilma. Este ponto de vista nativo permite apreender que o drama desencadeado por uma quebra de código de confiança, passou por um cisma, desemborcando em uma.

Fonte: Site Portelaweb. Com o término das ações judiciais, o confronto simbólico entre as duas aconteceu na Marquês de Sapucaí. Respondendo a estas provocações, a Portela cantava no seu samba: Briga, eu, eu quero briga, hoje eu venho reclamar: o que que tem?

Esta praça ainda é minha, eu também estou fominha, jacaré quer me abraçar Em , a Portela cantava: o meu canto é mais bonito, salve Oswaldo Cruz e Madureira, me chamam celeiros de bambas, a Majestade do Samba, da Velha Guarda formosa e faceira.

Para mais detalhes, ver Cavalcanti Segundo fui informado pelos interlocutores, Nilo Figueiredo é comandante militar reformado da Marinha. A propósito, percebi haver nas alocuções dos interlocutores dois momentos estanques: um antes e outro depois da chegada de Nilo Figueiredo à presidência da Portela. Após prolongada convivência com os interlocutores, compreendi o porquê desse aparente esquecimento. Alguns confessaram-me ainda estar traumatizados, pois A meu ver, este drama teve ainda uma consequencia para a memória do passado da Portela.

O mal-estar estava formado entre os portelenses. Acompanhei duas comemorações dessa continuidade de fé religiosa. Entre os dois altares resplandecia a bandeira da Portela. Durante o ritual, o padre benzeu cada um dos segmentos administrativos da escola, rogando a Deus que abençoasse a Portela.

Após o evento religioso, os componentes da Galeria da Velha Guarda se despediram e a quadra foi gradualmente preenchida pela parcela mais jovens de torcedores que participariam apenas do ensaio de quadra Em suas rememorações Para analisar a diferença de interesses pelas atividades sociais entre as distintas gerações de portelenses, sugiro examinar os estudos de Lins de Barros sobre família e gerações.

Em , o presidente Nilo Figueiredo decidiu edificar um monumento em homenagem ao compositor na Fato que teria acontecido na década de Além disso, o monumento seria uma parte orgânica do passado, na medida em. Este aconteceu em um dia de feijoada com a quadra lotada.

Após discursos e o canto coral de alguns sambas de Paulo da Portela, foi retirado o pano que cobria o monumento, desencadeando aplausos, choros e espantos entre os presentes. Foto do site O Dia na Folia. Trechos de um texto do site Portelaweb expressam a reverência a Paulo da Portela como um professor:. Portela que une o passado e o presente. Na magia do amor que desperta, estende um facho de luz para a eternidade, unindo nossos sonhos ao de Paulo, tomando viva sua presença ao nosso lado.

Outra forma encontrada pelos portelenses para atualizarem continuamente seu passado é batizar logradouros com os escolhidos para serem lembrados pelo grupo. Em , acompanhei um processo de mudança de nomes de rua no bairro de Oswaldo Cruz feito para preservar a memória de um dos compositores da Portela. No ano de , falecera Manacea, ex-líder da Velha da Guarda da escola.

Em novembro. O intérprete Gilsinho, ao som da bateria, cantou alguns sambas antigos. Foi dolorosa, difícil, mas ambos conseguiram sobreviver. A Portela, em cada vitória, lembrava de Paulo. Estes, contudo, poderiam ainda se redimir, tornando-se portelenses. Muitos portelenses se orgulham em falar que a Portela seria uma família reunida.

BAIXAR SAMBA DO SALGUEIRO 2009

Visando detalhar de forma mais concreta os diferentes usos do passado da Portela, no próximo capítulo, abordo particularmente quatro desses usos: a feijoada da família portelense; o Pagode do Trem realizado no Dia Nacional do Samba e duas rodas de samba promovidas pelo compositor Marquinhos de Oswaldo Cruz.

Na entressafra carnavalesca — março a julho — a Portela encontrava-se esvaziada com raros acontecimentos sociais em sua quadra. É ela que promove a feijoada, realiza os shows nacionais e internacionais representando a Portela. Convém mencionar ainda que Medeiros reconstrói a biografia e as receitas de quatro mulheres da Portela: Surica, Neném, Eunice e Doca. Nunca ninguém tomava uma iniciativa.

Aí, no sepultamento do Argemiro, vai fazer quatro anos Decidimos: vamos fazer um movimento para agitar a Portela? Vamos fazer uma feijoada da Velha Guarda para resgatar as glórias da família portelense?

Ficamos combinando. Começamos no bar da Tia Vicentina com duzentas ou trezentas pessoas Tanto que a feijoada leva o nome dela Tia Vicentina fazia a feijoada. A Portela nos deu a oportunidade e nós continuamos Algumas categorias e expressões trazidas à baila pelas rememorações de Tia Surica merecem destaque.

Na ótica nativa, o despertar da Portela, um gigante adormecido, seria possível através de um evento - uma feijoada - que resgataria as glórias portelenses. Conforme aponta Gonçalves , p. O primeiro tomaria a fome humana como um dado natural, entendendo o alimento em seu aspecto meramente nutricional.

No mesmo artigo, Gonçalves , p. Abordando os significados sociais atribuídos à feijoada no Brasil e nos Estados Unidos, Fry , p. No caso brasileiro, a feijoada era, no século XIX, comida de negros, sendo gradualmente incorporada como símbolo de nacionalidade. No entanto, o ponto de partida é a ideia maussiana de fenômeno social total, haja vista essa feijoada sobrepor, ao mesmo tempo, elementos memoriais, míticos, econômicos, institucionais, sociológicos, corporais, entre outros.

Esse sistema de trocas envolvia, ao mesmo tempo, diversas dimensões da vida humana, como a econômica, a sociológica, a agonística, a psiscológica, entre outros. Voltarei a este ponto depois. Conforme relembra Peirano , p. A proposta durkheimiana era que os cultos seriam eficazes por se tratarem da sociedade em ato e por serem mecanismos simbólicos pelos quais as sociedades se recriariam e se renovariam periodicamente. O exame da feijoada como um rito partiu das próprias significações que os membros da Portelaweb lhe atribuem Como lembram Vargens e Monte , p.

Ademais, o fato de estes quintais, por vezes, serem cercados por pés de frutas, como mangueiras e sapotizeiros, traz em seu bojo uma simbologia da fartura de comidas que cerca os encontros sociais e as rodas de samba promovidas pela Velha Guarda Show da Portela. Para ele, em uma roda de samba, estaria em jogo o prazer de saborear as iguarias feitas pelas mulheres e pelos mestres da arte de cantar e de cozinhar.

Coluna de Quinta – sambas-enredo inesquecíveis (RJ) – NaAvenida

Seria esse tipo de roda de samba, conforme me relatou Tia Surica, que os membros da Velha Guarda Show buscavam conscientemente dar continuidade -. No âmbito científico-social, o estudo de Hobsbawm sobre as tradições inventadas é significativamente disseminado.

Retomando o texto de Buscacio , relembro que, na década de , segmentos da ala de compositores da Portela se diziam defensores do samba tradicional e autêntico. Em termos sociológicos, como assinala Rodrigues Junior , p. Na sexta Vicentina do Nascimento nasceu em e faleceu em No entanto, se compararmos à atual feijoada com as antigas rodas de samba dos quintais de Oswaldo. O lucro do evento é obtido com a cobrança de ingressos e com a venda de pratos de feijoada e de bebidas.

Essa feijoada acontece regularmente desde junho de Na atualidade, no primeiro semestre, duas a quatro mil pessoas participam da feijoada, cifra gradativamente aumentada com a proximidade do carnaval. No dia de feijoada, as filas começam a se formar por volta de meio-dia na entrada da quadra da Portela. Os sócios contribuintes da escola e pessoas da terceira idade têm suas entradas liberadas.

Tais ocasiões de sociabilidade me possibilitaram conhecer portelenses moradores de Petrópolis, Ipanema, Madureira, Marechal Hermes, entre outros lugares.

Entre 13h30min e 14h, acontece a abertura dos portões da bilheteria pelos seguranças, que fazem também vistorias nas pessoas para evitar a entrada de alguém armado na escola. No lado esquerdo da parte coberta, encontra-se a tribuna dos componentes da bateria, o palco e o espaço onde o casal de mestre-sala e porta-bandeira pode apresentar-se durante os ensaios voltados para o carnaval. Os anfitriões da feijoada somente começam a cantar por volta das dezesseis horas.

Na primeira, os componentes do grupo musical apresentam suas canções mais conhecidas, bem como aquelas de falecidos compositores. A segunda parte da feijoada é dedicada aos cantores convidados, que podem receber prêmios, placas de condecorações ou elogios sobre suas trajetórias musicais. Em outros lugares, ouvi dizer que sai briga com tiros. É por isso que as pessoas gostam de vir na Portela. Você vê, ali tem famílias inteiras Eu acho que a escola prima por isso Um turista francês havia perdido sua bolsa de documentos nas dependências da quadra.

Esse sentido êmico de família portelense foi compartilhado por diversos interlocutores na pesquisa de campo. Seus principais objetivos é, como integrante da família portelense, desfrutar o ambiente de sociabilidade possibilitado por essa roda de samba.

Isso acontece quando ela é vinculada ao contexto do carnaval, da disputa festiva existente nos desfiles. Eles devem frequentar os ensaios com assiduidade. Porém, se exige muita coisa Ele Nas feijoadas, apenas os segmentos da escola e os convidados têm suas mesas reservadas e previamente identificadas. No entanto, convém dizer que os membros da equipe conseguem identificar alguns traços distintivos da feijoada da família portelense das demais realizadas por outras agremiações.

Segundo, a feijoada na Portela seria a mais autêntica entre todas. Terceiro, a referida feijoada criaria um sentimento de pertencimento à Portela. Conversando informalmente com Rogério Rodrigues sobre este assunto, ele me revelou uma de suas crenças: os grandes portelenses, quando morrem, passam a habitar a morada dos deuses.

Na pesquisa de campo, ouvi diversas vezes que o próprio Deus cultuado pelos católicos seria portelense, posto ter criado o céu com as cores da escola: azul e branco. Ele quase sempre presentearia o show da Velha da Guarda com belos dias de sol.

No procedimento regular de ida ao campo, mantive-me informado, por exemplo, sobre o processo de adoecimento e de convalescença de Monarco e Casquinha, membros da Velha Guarda Show. Igualmente, acompanhei as fases de adoecimento e mortes de Tio Jair do Cavaquinho, Casemiro, e Tia Doca, também integrantes deste grupo musical.

Estes, sendo grandes portelenses, como vaticinava a locutora oficial da feijoada, teriam ido morar no céu, de onde continuariam a velar e a orientar os caminhos da Portela. Nesse aspecto, vale novamente recordar Mauss , para quem os homens se servem dos seus corpos de modo os mais distintos possíveis, seguindo as técnicas corporais que cada sociedade desenvolveu para andar, nadar, parir, marchar, saltar, entre outras. Por vezes, alguns aficionados passam a vestir no cotidiano quase que exclusivamente roupas com as cores da Portela.

Às vezes, uso outras cores diferentes, mas sempre uso azul e branco. Eu tenho saudade. Desperta, oh grande mocidade! Portela, querida, és tudo na vida para mim. Por outro lado, atualizar essa memória significa celebrar um passado percebido como comum a todos os portelenses.

Estes, além de comemorarem sua memória coletiva, encontraram também na feijoada um meio simbólico para unir o passado ao presente, o humano ao divino, os vivos aos mortos, e, sobretudo, o paladar à musicalidade.

Aqui, estou parafraseando Bakhtin ao sinalizar que o ato de comer significa colocar dentro de si o mundo social. Um exemplo do esquecimento coletivo no qual estariam imersos os sambistas e o samba naquele contexto urbano, segundo Barata , p. Essas pessoas teriam sentido necessidade de divulgar juntos aos moradores a história do samba no bairro. Ele nasceu no Rio de Janeiro em e iniciou sua carreira de compositor de samba na década de , quando adotou o nome artístico de Marquinhos de Oswaldo Cruz.

Segundo informações fornecidas pelos membros do Portelaweb, Marquinhos de Oswaldo Cruz, a AMOC e outras entidades locais, em , conseguiram um carro de som com o qual saíram pelas ruas do bairro gritando: Acorda Oswaldo Cruz.

ENREDO BAIXAR 2009 SAMBA PORTELA

Valores atribuídos a residência, parentesco, linhagem, etnia, sexo, idade, diferenciariam os Nuer entre si e definiriam as distâncias estruturais existentes entre eles.

Seriam essas distâncias estruturais que determinariam as divisões de espaço para esse povo africano. Assim, uma linhagem Nuer pode sentir-se próxima de outra linhagem, ainda que estejam separadas por centenas de quilômetros. Buscando identificar e interpretar a regularidade desses arranjos sociais, Magnani elaborou uma proposta de etnografia urbana empregando algumas categorias analíticas, como pedaço, mancha, trajeto, pórtica e circuito.

O pedaço, além de lugar de encontro de familiares e vizinhos, pode ser também o ponto de encontro para os colegas e os chegados. A mancha trataria de lugares que funcionam como ponto de referência para uma diversidade maior de pessoas, podendo se constituir em torno de determinados serviços, como hospitais, cinemas, ou restaurantes.

A mancha, diferentemente dos pedaços para onde as pessoas se dirigem para encontrar os iguais, cederia espaços para os encontros fortuitos e inesperados. Muitos trajetos aconteceriam dentro de uma ou mais. Os pórticos demarcariam os vazios fronteiriços, por exemplo, entre pedaços ou entre manchas. Trazendo esse debate do uso e dos significados atribuídos aos espaços urbanos para o âmbito especificamente carnavalesco, ressalto que ranchos carnavalescos.

Este, na ótica êmica, estaria retornando a ser o que nunca deveria ter deixado de ser: o reduto do samba autêntico e da Portela Este, em termos simbólicos e territoriais, passava a fazer parte da trama urbana de atores sociais que se vinculam afetiva e socialmente à Portela. Convém acrescentar que, para membros da Portelaweb, o Acorda Oswaldo Cruz teria Nesse ponto, recordo o que foi tratado no capítulo anterior acerca de Paulo da Portela ter sido um mediador cultural. Segundo o texto O Trem do Samba, da Portelaweb, os homenageados daquelas quatro primeiras edições foram os compositores Manacea e Argemiro.

Ver Kuschnir , para aprofundar o entendimento das relações estabelecidas entre agentes políticos e diferentes camadas sociais. Após ter tomado ciência desse fato, seu interesse em continuar o Trem do Samba teria sido reforçado ao estar dando prosseguimento a um empreendimento iniciado pelo fundador da Portela O PAGODE do trem, A chegada do Trem a Oswaldo Cruz foi anunciada por queima de fogos. A Supervia, por sua vez, cedeu quatro composições.

Além disso, sambistas de outras agremiações também fizeram suas apresentações. No Dia Nacional do Samba de , os portelenses teriam inserido um novo ritual em suas comemorações: a lavagem do busto de Paulo de Portela na praça intitulada com seu nome em Oswaldo Cruz.

No amanhecer daquele dia, baianas e. As edições de e tiveram estruturas organizacionais semelhantes ao ano de Em , estava ansioso, pois, pela primeira vez, havia decidido acompanhar as festividades do Dia Nacional do Samba, participando das comemorações do Pagode do Trem.

A maioria dos passageiros estava usando a camisa de sua escola de samba favorita. Ver DaMatta e Amaral para maiores detalhes sobre a diferença do ritmo de vida cotidiana e o ritmo humano nos dias de festa.

Contudo, durante o percurso, essa regra foi quebrada com cada grupo tentando cantar com mais intensidade e alegria do que o outro. O ânimo se acirrou entre os torcedores por meios de xingamentos e acusações de parte a parte. Vale comentar que esta rivalidade entre Portela e Império Serrano decorre de essas duas escolas de samba estarem localizadas em espaços urbanos próximos: apenas dois quarteirões separam as quadras das.

Gradualmente, os ânimos foram acalmados e a viagem prosseguiu sem maiores transtornos. Eram três palcos espalhados em diversos lugares do bairro. As escadas de acesso à saída ficam congestionadas de pessoas que se empurram e se acotovelam. No entanto, nesse dia festivo, pode-se metaforicamente afirmar que o bairro respira samba.

O forte policiamento fecha algumas vias para o acesso de carros e ônibus. Portas de lojas ficam cerradas, enquanto um montante representativo dos moradores acompanha as festividades de suas próprias residências. Diversos veículos da imprensa televisiva, radiofônica e escrita cobrem jornalisticamente esse momento de festa para o mundo do samba, entrevistando, sobretudo, os sambistas mais famosos.

Ritmo e ritmistas III. Um dos grandes percussionistas do disco, Marçal participou de inumeros trabalhos em estudio. Hoje Esguleba é presença constante.

Ritmo e ritmistas II - batidas bem diferentes. Alem destes textos vale a pena pesquisar as participações do Elton Medeiros com sua caixinha de fosforo em diversos discos de sambas. Sem corrimento! O primeiro texto traz no final a relevancia da Velha Guarda da Portela, e mata saudades de Alberto Lonato, Argemiro, Cabelinho e Monarco e outros bambas.

Marcadores: musica curiosidades , sambas e sambistas historicos. Samba - ritmo e ritmistas. Mais uma serie dos fasciculos "Historia do Samba" de Na foto Donga no prato e faca e Joao da Baiana no pandeiro.

Temos que citar uma sambista de Floripa que domina o prato e faca com muito versatilidade que é Jandira tocando prato e faca e cantando no Cimples Ocio em Samba - ritmo nacional. Aproveitando minha visita às digitalizações dos fasciculos da "Historia do Samba" peguem ai mais algumas materias. Surdo, tamborim e cuica - Odeon e ritmistas. Este texto é da serie de fasciculos "Historia do Samba" de , coordenado pelo Elifas Andreatto.

Clique na imagem para ler. Velha Guarda Ensinamentos. Velha Guarda Atividades da Velha Guarda. Velha Guarda Velha Guarda Show. Velha Guarda Membros da Velha Guarda. Velha Guarda Discografia. Anos Carnaval de Anos Sinopse de Anos Ficha Técnica de Leia mais Mais Artigos Carnaval de Samba de Ficha Técnica de Carnaval de